Primeiro-ministro da Austrália apoia inquérito sobre preço do minério de ferro

1369

O primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, apoiou um inquérito parlamentar especial sobre o mercado de minério de ferro, dizendo que é importante descobrir os fatos que sustentam as fortes quedas nos preços do principal produto de exportação do país. “O que não queremos ver é um comportamento predador por parte de qualquer companhia”, disse Abbott em entrevista a uma rádio australiana.

Abbott não informou se o inquérito terá a forma proposta pelo parlamentar Nick Xenophon. O senador independente pediu que o Comitê Econômico investigue queixas de que as gigantes de mineração BHP Billiton e Rio Tinto estão guiando os preços do minério para baixo ao ampliar a oferta, para prejudicar concorrentes menores.

“Não estou querendo demonizar qualquer companhia porque tenho consciência do fato de que a Rio Tinto e a BHP são os maiores pagadores de impostos corporativos da Austrália”, disse Abbott. “Quero que elas continuem fazendo muito lucro aqui na Austrália”, acrescentou.

Ontem, Xenophon adiou uma votação parlamentar sobre o inquérito e afirmou que as companhias haviam lançado campanhas “furiosas” contra a investigação. Tanto a BHP quanto a Rio Tinto se recusaram a comentar o assunto.

Algumas produtoras australianas pequenas estão entre as maiores críticas das estratégias das grandes rivais. Empresas como a Fortescue Metals, controlada pelo bilionário Andrew Forest, são as mais vulneráveis aos preços baixos porque não têm escala para manter os custos de produção contidos.

Os preços do minério de ferro caíram para os níveis mais baixos em uma década neste ano conforme o crescimento da economia da China, um grande consumidor da commodity, perdeu força e as mineradoras aumentaram a oferta após anos de investimentos em minas novas. A queda dos preços se tornou tão profunda que está afetando a receita fiscal da Austrália, dificultando para o governo de Abbott melhorar as finanças da nação como prometido na eleição.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui