Trending News

Blog

Prédio da Assembleia Legislativa está caindo aos pedaços
Belém, Pará, Brasil. CIDADE. Deúncia Vários ambientes da Assembleia Legislativa do Pará que estão em péssimas condições inclusive sem energia. 31/01/2018. Foto: Marco Santos / Diario do Pará.
Brasil

Prédio da Assembleia Legislativa está caindo aos pedaços 

Há quatro anos à frente da Alepa, desde 2013, Márcio Miranda não consegue gerir investimentos; nunca iniciou a construção da nova sede, mesmo recebendo o cargo com R$ 10 milhões em caixa para esta finalidade; sem falar que o atual prédio da instituição, localizado no Centro Histórico de Belém, está caindo aos pedaços. O gasto com pessoal também é estratosférico e nos últimos quatro anos passa a casa de R$ 1,4 bilhão.

A construção da nova sede é um caso à parte: quando Manoel Pioneiro deixou a presidência da Casa, em 2012, garantiu, no orçamento, R$ 10 milhões para o início das obras. No entanto, nos últimos quatro anos, Miranda liquidou mais de R$ 7,8 milhões da rubrica de construção da nova sede e até agora nenhum prego foi colocado. Márcio Miranda não explica onde foi alocado o dinheiro. Os dados foram conseguidos no Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios (Siafem).

Forro deteriorado evidencia a falta de manutenção da atual sede da Alepa (Foto: Marco Santos)


Divisória de parede do prédio também está deteriorada (Foto: Marco Santos)

 Paredes infiltradas são outro transtorno para quem trabalha ou frequenta a Assembleia Legislativa (Foto: Marco Santos)

GASTOS EXORBITANTES

– No anexo do Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC), a população sofre sem ar-condicionado e móveis deteriorados. De 2013 até hoje, Márcio Miranda gastou pouco mais de R$ 981 mil para melhorias no local.

– Nos últimos quatro anos, o presidente da Alepa consumiu nada menos do que R$ 1,4 bilhão com pagamento de folha. Com funcionários temporários, Márcio Miranda
“torrou” R$ 356 milhões. (Dados do Siafem)

Prédio da Alepa sofre “restauro” de R$ 9 milhões 

Enquanto a nova sede da Alepa é apenas uma maquete empoeirada jogada debaixo de uma escada da Casa, a atual sede do órgão tem escadas quebradas, tetos sem forro, caixas d’águas internas à mostra, paredes estouradas e com mofo, instalações hidráulicas e de ar-condicionado precárias, corredores sem iluminação e fiação elétrica exposta.

Apesar disso, duas empreiteiras ligadas a Márcio Miranda ganham sucessivamente contratos para restauros do prédio que nunca acabam. Decol e Innova já embolsaram R$ 5.695.507 nos últimos dois anos da administração de Miranda.

Para se fazer um comparação, desde que assumiu, segundo o Siafem, Márcio Miranda já desembolsou pouco mais de R$ 9 milhões para a propalada restauração da Alepa; Decol e Innova abocanharam mais de 60% dos recursos no período. Outras nove empresas dividiram o valor restante do orçamento liquidado: R$ 3.336.695, diz relatório do Siafem.

MAIS CONTRATOS

Este ano, dois contratos de restauração da sede da Alepa foram licitados. A Decol leva um lote de R$ R$ 106 mil e a empresa A3, embolsará quase R$ 267 mil.

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com