Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Início Notícias Destaques 6 mil empregos devem ser gerados em Parauapebas e região com novos...

6 mil empregos devem ser gerados em Parauapebas e região com novos projetos da Vale

A Vale vai investir em novos projetos no sudeste do Pará, visando a maior eficiência e competitividade de suas operações no Estado. As obras e a atividade mineral desses novos projetos deverão movimentar a economia local com a geração de trabalho e renda, arrecadação de impostos e tributos e com a aquisição de produtos e insumos na região. O anúncio foi feito em coletiva com a imprensa nesta quinta-feira, 29/11, durante apresentação do balanço de atuação da empresa em Parauapebas no terceiro trimestre de 2018.

Serão US$ 1,7 b (1 bilhão e 700milhões de dólares) na execução de novos projetos. Destaque para Salobo 3 (que corresponde à segunda ampliação de beneficiamento de Salobo, empreendimento que já opera desde 2012), em Marabá, e o Projeto Gelado, em Parauapebas. A previsão é que 6 mil postos de trabalho temporários sejam gerados no pico das obras em 2020.

Paralelo aos projetos para a manutenção da capacidade de produção, a empresa irá executar obras voltadas para a melhoria da mobilidade urbana em Parauapebas. Serão construídos dois viadutos no bairro Nova Carajás e realizada a adequação do viaduto da PA 275, para o melhor e mais seguro trânsito na entrada e saída da cidade. As obras são condicionantes pela implantação do ramal ferroviário. Também será executada obra de revitalização da estrada da Apinha, que deverá reduzir o fluxo de veículos no centro da cidade e na estrada Raimundo Mascarenhas, que dá acesso ao Núcleo Urbano de Carajás e às operações do Complexo de aCarajás, em Parauapebas.

Articulação com Sine e Acip

Como todo projeto de construção civil, as obras terão começo, meio e fim. Com um período de maior efetivo de trabalhadores temporários no pico de obras, previsto para meados de 2020. A mobilização será gradativa, ou seja, conforme o avanço das etapas dos projetos. A expectativa da empresa é de que os projetos movimentem a economia local. Uma ação prevista que deve contribuir com a economia é a articulação das contratadas com os órgãos representativos como o Sine e as associações comerciais e industriais da região.




“Mais uma vez, em um cenário de poucos investimentos no Brasil, a Vale empreende, investe em novos projetos. A nossa expectativa é por uma forte articulação entre as empresas contratadas, Sine e associações comerciais e o envolvimento delas também com o desenvolvimento da região, a fim de priorizar a contração de mão de obra e de produtos e serviços”, diz o gerente executivo de Projetos, Carlos Miana.

Em Parauapebas – Projeto Gelado

Na Serra dosCarajás, o maior dos projetos previstos é o Gelado, recentemente aprovado pelo Conselho de Administração da empresa, mas que ainda aguarda a licença ambiental. Caso licenciado, as obras devem durar cerca de dois anos. No momento de maior volume de atividades, em 2020, a previsão é de que 1.500 pessoas estejam trabalhando.

O projeto orçado em US$ 428 milhões, envolve a construção da estrada da Apinha, implantação de planta de concentração magnética e a recuperação do minério proveniente das barragens, reduzindo ao mesmo tempo a quantidade de rejeito nas estruturas e eliminando a necessidade de novas barragens.

Os dois outros projetos em Carajás, com investimentos previstos em US$ 184,5 milhões, demandarão cerca de 1 mil trabalhadores e consistem na montagem de equipamentos e estruturas na linha de produção do minério nas áreas de britagem e implantação de correias transportadoras.

Em Marabá – Projeto Salobo 3

O Conselho de Administração da Vale também aprovou o investimento de US$ 1,1 bilhão no projeto de cobre Salobo III, que compreende a segunda expansão da operação da maior operação de cobre da Vale no Brasil, desde que entrou em funcionamento em 2012,  aumentando a capacidade de beneficiamento  da unidade. O projeto engloba um terceiro concentrador e utilizará a infraestrutura existente. Conforme o pedido de licença, as obras devem durar três anos, sendo que, em 2020, no pico da construção 3.200 pessoas deverão estar trabalhando nas atividades. O projeto deve movimentar a economia local.

 

 




Comentários

Must Read

Canil da Guarda Municipal de Parauapebas fará apresentação na Escola Benedito Monteiro

A Prefeitura de Parauapebas investe em segurança cidadã e as ações da Guarda Municipal (GMP) visam maior aproximação com a comunidade. São rondas escolares,...

TV Record: Parauapebas ganha mais uma emissora com qualidade digital

Está no ar oficialmente em Parauapebas, desde o meio dia de hoje, terça-feira, 23, a TV Record Belém. A emissora é retransmitida pela sua afiliada...

Governo decreta isenção de ICMS para instituições religiosas estabelecidas no Pará

Instituições religiosas estabelecidas no Estado do Pará, que queiram isenção do imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS) devem protocolar o pedido junto...

Helder anuncia concurso com 7 mil vagas para a Polícia Militar

O Governador do Pará, Helder Barbalho, anunciou nesta segunda-feira (22) que o Estado deverá realizar um concurso público para a Polícia Militar, com previsão...

Bruno e Marrone, Damares e Eliana Ribeiro são as atrações para o ‘niver’ de Parauapebas

Parauapebas completa 31 anos de emancipação no dia 10 de maio e a Prefeitura de Parauapebas está se programando para realizar um dos maiores...

Comentários