Autônomo retira pedido de afastamento do prefeito Valmir Mariano

0
379

A representação que pedia afastamento cautelar do prefeito municipal Valmir Mariano foi colocada em pauta na sessão ordinária desta terça-feira, 29 de setembro. Mas, por meio de ofício, o proponente da ação, autônomo Raimundo Pires dos Santos, solicitou que o documento fosse retirado da pauta de apreciação da Casa de Leis, não sendo, portanto, colocada para votação parlamentar.

O instrumento foi protocolado na semana anterior e passou por uma averiguação de veracidade solicitada pelo presidente da Câmara, vereador Ivanaldo Braz. “A Mesa precisou verificar a idoneidade do proponente, já que no caso da primeira representação protocolada afirmaram que o autor era um ‘laranja’. Então, preferimos ser mais cautelosos”, justificou o vereador.

O documento alegava o “cometimento de improbidade e crimes de responsabilidade” por parte do prefeito. A representação era fundamentada pela Lei Orgânica do Município de Parauapebas, que prevê no artigo 34, inciso XVI, que “é de competência privativa da Câmara Municipal processar e julgar o prefeito”.

O pedido foi embasado, ainda, no Decreto-Lei 201/67, que elenca os crimes de responsabilidade e dita rito aplicável ao recebimento de denúncia: Art. 5º, II – A denúncia escrita da infração poderá ser feita por qualquer eleitor, com a exposição dos fatos e a indicação das provas.

A representação continha também relato do Tribunal de Contas dos Municípios do Pará (TCM-PA), que, analisando mais de quatro processos contra a Prefeitura de Parauapebas, julgou ilegal os contratos de servidores temporários, inclusive dos aditivos e até dos termos de rescisões dessas contratações. Diante do exposto, no documento de quase 30 páginas, Raimundo Pires dos Santos pedia o afastamento cautelar do gestor municipal.

pl

Ao desistir da representação nesta terça-feira (29), o autônomo solicitou que as peças que instruíram a petição fossem devolvidas.

Para o vereador José Pavão, o parlamento perdeu mais uma oportunidade de investigar as ações do Executivo. “É muito difícil lutar contra a máquina. Poderíamos ter respondido à sociedade por meio desta representação. Tenho muito a lamentar por não conseguir concluir o trabalho em prol desta comunidade do modo que merecem”, afirmou.

(Josiane Quintino / Ascom CMP)

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.