De acordo com um levantamento divulgado na tarde desta quarta-feira (01) pelo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA), entre os setores econômicos do Estado do Pará, o comércio foi o  segundo com a maior perda de postos de trabalho. Na pesquisa, o departamento informou que em 2015, a queda na geração de empregos no setor foi de 2%, já no ano seguinte, a redução foi quase o dobro, cerca de 4%.

Em 2016, o setor registrou 74.133 admissões contra 82.552 desligamentos, o que gerou um saldo negativo de 8.419 postos. No ano anterior, a perda foi menor, com 92.307 admissões contra 95.154 desligamentos e menos 2.847 postos de trabalhos. Em dois anos, 11.266 pessoas foram demitidas em todo o estado.

Na análise setorizada do emprego formal, tanto o comércio varejista quanto o atacadista apresentaram saldos negativos de empregos formais. Em 2016, no setor varejista, foram feitas 60.806 admissões contra 68.807 desligamentos. O saldo negativo foi de 8.001 postos de trabalhos com queda representada em 4,50%. Já no segmento atacadista, foram feitas, no mesmo período, 13.327 admissões contra 13.745 desligamentos. Neste caso, o saldo negativo foi 418 postos de trabalhos. A queda foi de 1,19%.

As análises do DIEESE/PA mostram ainda, que em 2016, todos os Estados da Região Norte, apresentaram saldos negativos de empregos formais no setor do comércio. O destaque ficou com o Pará, com a perda de 8.419 postos de trabalhos; seguido do Estado do Amazonas, com menos 3.516 postos e Rondônia, com 2.707 demissões.

De acordo com o levantamento, a tendência para o primeiro trimestre é de aumento de desemprego no setor em todo o Pará.

Comentários