A Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente de Marabá, composta por diversos órgãos de Segurança Pública e Assistência Social, se reuniu nesta quarta-feira (3) para tratar de estratégias de atuação durante os quatro dias de Carnaval. Entre as ações previamente definidas constam a panfletagem de material alusivo ao combate à exploração sexual infanto-juvenil, bem como da combinação de álcool e direção.

Em Marabá, a panfletagem ocorre nesta quinta-feira, por volta das 9h da manhã, os agentes de proteção vão estar concentrados na BR-230, no semáforo próximo à Câmara Municipal. Já na sexta-feira, por volta das 16h, a concentração e panfletagem acontece também a BR-230, à altura do Shopping Pátio Marabá.

Segundo a coordenadora da Secretaria de Assistência Social (Seasp), Adinancy Cardoso Rosa, diversas outas atividades devem ser desenvolvidas, desde educativa, quanto à repressão propriamente dita.

A fiscalização que deve contar com a participação de todos os órgãos do sistema de segurança pública e ocorre em 22 pontos estratégicos e de grande vulnerabilidade.

De acordo com o inspetor Jair Barata, titular da Delegacia da Polícia Rodoviária Federal (PRF), há um mapeamento prévio desses locais que devem ser fiscalizados.

Caso haja algum caso de flagrante envolvendo exploração sexual, porte de armas, drogas ou até mesmo pessoas embriagadas dirigindo, todos devem ser apresentados na Seccional Urbana da Nova Marabá onde os condutores, ou donos de bares e boates devem sofrer as sanções penais. “Estamos em alerta e, caso algum abusador seja flagrado, deve sofrer as penalidades previstas na lei”, garante.

Álcool

Outro assunto não menos preocupante da rede de proteção é o consumo de álcool neste período de Carnaval. Visando diminuir eventuais ocorrências de trânsito é que o Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (DMTU) está com uma campanha de Educação para o trânsito, segundo informou a coordenadora Késia Rodrigues.

Entretanto, os agentes do DMTU não irão apenas orientar, caso haja algum tipo de infração o condutor pode ser notificado. “Às vezes a população, quando lê, ou ouve algo neste sentido já pensa que não vai haver fiscalização, pelo contrário, vamos orientar e fiscalizar ao mesmo tempo“, observa.

 

Comentários