Já pensou em visitar o Parque Zoobotânico Vale sem sair de casa? O espaço, que é considerado uma das principais atrações turísticas e de lazer no Estado do Pará passa a contar com um tour virtual, um ambiente que proporciona a experiência de visitar, os principais recintos, os animais, a botânica do local, além de algumas curiosidades do espaço que celebrou 35 anos de fundação esse ano. O tour virtual está disponível no vale.com/pzv.


O parque  segue fechado para visitas presenciais, contribuindo com as medidas preventivas para conter a expansão da COVID-19.  No tour virtual, sempre que precisar, o mapa do parque estará disponível na barra de opções inferior, e usando os óculos VR você alcança uma experiência ainda mais imersiva.

Inaugurado em 1985, mesmo ano de início das operações da Mina de Carajás e da Estrada de Ferro Carajás (EFC), o espaço também se consolidou, ao longo desse período, como importante centro de conservação de espécies amazônicas e fonte para o desenvolvimento de pesquisas sobre a flora regional.


O parque ocupa uma área de 30 hectares e conta com aproximadamente 70% de mata nativa. O espaço abriga aproximadamente 360 animais, distribuídos em mais de 70 espécies de aves, mamíferos e répteis, incluindo algumas raras ou ameaçadas de extinção, como o gavião-real, ararajuba, onça pintada, suçuarana, macaco-aranha-da-testa-branca e macaco cuxiú.


Entre as principais atividades desenvolvidas no PZV está o programa voltado à reprodução em cativeiro de espécies do bioma amazônico e que estão ameaçadas de extinção. Já foram alcançados importantes resultados, como o nascimento de filhotes de ararajuba, onça-pintada e harpia. O espaço contribui com a preservação das espécies, servindo como estoque genético e formando profissionais especializados para trabalhar em benefício da preservação da fauna e flora brasileiras, dentro do Programa de Manejo Reprodutivo para Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção e Relevância Biológica.


Uma curiosidade é que existem três formas de entrada dos animais no Parque. Eles podem ter sido entregues por órgãos ambientais, como o IBAMA e ICMBio,  vindos de apreensões ou criações ilegais; através de permuta com outros zoológicos do país e do mundo ou através de nascimento em cativeiro, prestando um importante serviço em prol a biodiversidade brasileira. No PZV, eles recebem tratamento e cuidados, acompanhamento e atendimento médico e também o trabalho de reambientação.