Na noite desta terça-feira (22) a jovem Erica Cantanhede Moraes, de 26 anos, foi morta na cidade de Pacajá-Pa por disparos de arma de fogo no interior de um bar, onde se encontrava na presença de amigos (Leia a matéria aqui).

O crime gerou grande repercussão em todo o Pará, onde comoveu diversas pessoas, amigos de Erica fizeram varias homenagem nas redes sociais e aguardam a chegada do corpo no município de Parauapebas, onde será velado na Câmara Municipal de Parauapebas.

Em depoimento na Delegacia de Pacajá, a dona da casa noturna relatou que Erika estava atendendo clientes no local, quando um homem entrou no estabelecimento e logo em seguida ouviu os tiros. Ela conta que, logo em seguida, ainda teve tempo de ver o autor do crime correr junto com um comparsa e ambos fugiram em uma moto. Logo após o crime, a equipe policial formada pelos policiais civis Alessandro Cardoso, Sérgio Caldeira e Claudio Heleno, levantou informações sobre as características físicas do autor do crime e saiu em buscas pela cidade para tentar localizar o suspeito. Com base nas informações, os policiais conseguiram identificar o acusado.

O delegado explica que as investigações apontaram que a vítima havia terminado o relacionamento com o acusado que, por sua vez, não aceitava o fim do namoro. Dessa forma, ressalta o policial civil, ele planejou a morte de Erika. Gutemberg foi localizado, na manhã desta quarta-feira, 23, quando seguia de casa para seu local de trabalho em uma empresa de produtos agropecuários, no centro de Pacajá. Ao ser preso, o acusado vestia o mesmo par de botas usadas no momento do crime. A peça do vestuário foi reconhecida por uma pessoa que presenciou o crime. “Uma das testemunhas reconheceu o acusado inclusive pela cor dos olhos”, destaca o policial.

indice
Gutemberg Goudinho

Segundo essa pessoa, o autor do crime chegou ao local e sacou a arma, dizendo para a vítima: “Agora tu vai morrer” (sic). E depois de chamá-la por uma palavra de baixo calão, efetuou os disparos fatais, diante de diversas pessoas. A arma usada no crime não foi encontrada, mas as investigações continuam com objetivo de localizá-la. O comparsa de Gutemberg no crime e que seria a pessoa que pilotou a moto usada na fuga também não foi encontrado nem identificado até o momento. O preso foi autuado em flagrante pelo crime de feminicídio – homicídio doloso de mulher por sua condição feminina – e vai ficar recolhido à disposição da Justiça em Pacajá. O corpo da vítima foi removido ao Centro de Perícias Científicas de Tucuruí para ser periciado e depois liberado aos familiares para sepultamento.

Pablo Oliveira do Portal Noticias de Parauapebas com informações da Policia Civil

Comentários

3 COMENTÁRIOS

  1. Vamos ter cautela. Essa informação ainda não está confirmada. Ele é apenas um suspeito. E não assassino. Vamos pedir a Deus misericórdia por todos envolvidos.

  2. Vamos ter cautela. Essa informação ainda não está confirmada. Ele é apenas um suspeito. E não assassino. Vamos pedir a Deus misericórdia por todos envolvidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here