Prefeitura reassume HGP e inicia pagamento de servidores

0
293

O Hospital Geral de Parauapebas (HGP) pertence agora definitivamente à população do município. E todos os 248 funcionários da instituição já receberam o salário de janeiro. Já o salário de dezembro, o 13º e as rescisões contratuais daqueles que foram contratados pelo Grupo de Apoio à Medicina Preventiva (Gamp) serão totalmente pagos até quinta-feira, 2.

A boa notícia foi dada na tarde desta sexta-feira, 24, em coletiva à imprensa, da qual participaram o prefeito Darci Lermen; o secretário municipal de Saúde, Francisco Cordeiro; o chefe de Gabinete, Edson Bonetti; o procurador do município, Thiago Pinho; e o diretor do HGP, Vinícius Ávila.

Para a prefeitura voltar a comandar o hospital e pagar os servidores foi necessária uma batalha jurídica, que terminou com decisão do Tribunal de Contas dos Municípios do Pará (TCM-PA) de anular o contrato assinado com o Gamp, pela administração passada. “Antes de assumirmos a prefeitura já havíamos decidido trazer de volta o nosso hospital, e pagar esses servidores sempre foi nossa maior preocupação. Mas para isso precisávamos de uma forma legal para viabilizar essa ação. Após a decisão, já começamos o processo de pagamento”, anunciou Darci Lermen, na coletiva.

A decisão de suspensão pelo TCM/PA ocorreu antes do prazo de intervenção feita pela gestão municipal em janeiro deste ano se esgotar, quando a Prefeitura, após verificar descumprimento de várias cláusulas contratuais, assumiu por 90 dias a gestão do HGP. O tribunal também legitimou a utilização de recursos públicos municipais para o pagamento dos funcionários da empresa que estavam há meses sem receberem seus salários.

Para o secretário municipal de Saúde (Semsa), Francisco Cordeiro, com o fim das atividades do Gamp no HGP a saúde de Parauapebas fecha um “capítulo negro de sua história”. E agora, acredita ele, a população notará a mudança positiva nos serviços. E para que o atendimento chegue à excelência a prefeitura vai buscar fora do município formas para isso acontecer. “Vamos buscar o apoio de prefeituras das cidades da região de Carajás, das quais acolhemos pacientes, e juntos negociar o investimento do Governo do Estado aqui”, informou Francisco Cordeiro.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.