Preso em menos de 24 horas após cometer o homicídio na última sexta-feira (20), o mototaxista José Domingos Araújo Medeiros, 38 anos, natural de Vargem Grande (MA), confessou à polícia que matou o colega de profissão Gilmar Martins Gomes de Sousa, 35 anos, porque descobrira que o mesmo estava saindo com sua mulher, Alderice Souza Oliveira Medeiros.

Gilmar Martins foi assassinado a facadas na estrada de chão do morro que dá acesso à Praça da Bíblia, no Bairro Jardim Canadá, em Parauapebas, a poucos metros da Delegacia de Polícia Civil.

Em depoimento à polícia, José Domingos contou que trabalhava há 8 anos na companhia do então colega Gilmar no ponto de mototáxi localizado na Rua F, Bairro União, onde se tornaram grandes amigos.

Ele acrescenta que há dois meses a vítima pediu para colocar umas cabeças de gado na propriedade rural do acusado, a 60 quilômetros do centro de Parauapebas, tendo como recompensa a retirada de leite das vacas.

Nesse período, de acordo ainda com o depoente, Gilmar Martins passou a visitar o sítio com mais frequência, quando iniciou o relacionamento com a mulher do acusado.

José Domingos confessa que tomou conhecimento da suposta traição por meio de um amigo dele conhecido por Filho, que teria presenciado o amante com a mulher na rotatória do Bairro Tropical.

Premeditado

Segundo ainda o mototaxista, como Gilmar não sabia da descoberta do triângulo amoroso, minutos antes do crime José Domingos telefonou para a vítima e solicitou uma carona até a casa de outro amigo, para apanhar alguns objetos.

Pedido aceito, Gilmar conta que ambos subiram a ladeira das torres de comunicação na motocicleta da vítima e a certa altura ordenou que parasse o veículo e desferiu o primeiro golpe de faca no pescoço do traidor, que ainda tentou reagir, mas foi atingido mortalmente com outras seis facadas.

Por fim, o réu confesso alegou no depoimento que não matou por ciúmes, mas porque acreditava que a intenção de Gilmar era tomar seu patrimônio, conseguindo que a esposa se separasse do marido para ficar com parte dos bens e, depois, repassar para a vítima,

Indagado pela reportagem sobre o boato de que José Domingos após cometer o crime teria se deslocado para o sítio de sua propriedade rural para matar também a mulher traidora, o delegado Thiago Carneiro Rodrigues descartou essa possibilidade, uma vez que o homicida foi preso no momento em que se encontrava ao lado da companheira dele.

“Ele [José Domingos] afirmou que não teria coragem de fazer isso. Quando o prendemos ele estava na companhia dela e não percebemos qualquer intenção neste sentido, mas vamos investigar a situação”, afirmou a autoridade policial.

Noticias de Parauapebas- Vela Preta/Waldyr Silva

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here