Mototaxista confessa ter matado colega porque este saía com mulher dele

0
388

Preso em menos de 24 horas após cometer o homicídio na última sexta-feira (20), o mototaxista José Domingos Araújo Medeiros, 38 anos, natural de Vargem Grande (MA), confessou à polícia que matou o colega de profissão Gilmar Martins Gomes de Sousa, 35 anos, porque descobrira que o mesmo estava saindo com sua mulher, Alderice Souza Oliveira Medeiros.

Gilmar Martins foi assassinado a facadas na estrada de chão do morro que dá acesso à Praça da Bíblia, no Bairro Jardim Canadá, em Parauapebas, a poucos metros da Delegacia de Polícia Civil.

Em depoimento à polícia, José Domingos contou que trabalhava há 8 anos na companhia do então colega Gilmar no ponto de mototáxi localizado na Rua F, Bairro União, onde se tornaram grandes amigos.

Ele acrescenta que há dois meses a vítima pediu para colocar umas cabeças de gado na propriedade rural do acusado, a 60 quilômetros do centro de Parauapebas, tendo como recompensa a retirada de leite das vacas.

Nesse período, de acordo ainda com o depoente, Gilmar Martins passou a visitar o sítio com mais frequência, quando iniciou o relacionamento com a mulher do acusado.

José Domingos confessa que tomou conhecimento da suposta traição por meio de um amigo dele conhecido por Filho, que teria presenciado o amante com a mulher na rotatória do Bairro Tropical.

Premeditado

Segundo ainda o mototaxista, como Gilmar não sabia da descoberta do triângulo amoroso, minutos antes do crime José Domingos telefonou para a vítima e solicitou uma carona até a casa de outro amigo, para apanhar alguns objetos.

Pedido aceito, Gilmar conta que ambos subiram a ladeira das torres de comunicação na motocicleta da vítima e a certa altura ordenou que parasse o veículo e desferiu o primeiro golpe de faca no pescoço do traidor, que ainda tentou reagir, mas foi atingido mortalmente com outras seis facadas.

Por fim, o réu confesso alegou no depoimento que não matou por ciúmes, mas porque acreditava que a intenção de Gilmar era tomar seu patrimônio, conseguindo que a esposa se separasse do marido para ficar com parte dos bens e, depois, repassar para a vítima,

Indagado pela reportagem sobre o boato de que José Domingos após cometer o crime teria se deslocado para o sítio de sua propriedade rural para matar também a mulher traidora, o delegado Thiago Carneiro Rodrigues descartou essa possibilidade, uma vez que o homicida foi preso no momento em que se encontrava ao lado da companheira dele.

“Ele [José Domingos] afirmou que não teria coragem de fazer isso. Quando o prendemos ele estava na companhia dela e não percebemos qualquer intenção neste sentido, mas vamos investigar a situação”, afirmou a autoridade policial.

Noticias de Parauapebas- Vela Preta/Waldyr Silva

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.