II Circuito Ecológico marca os 19 anos das UCs de Carajás

0
345

Duas unidades de conservação (UCs) que compõem o Mosaico de Carajás – Floresta Nacional de Carajás e Floresta Nacional do Itacaiúnas – celebraram 19 anos de criação com a realização do II Circuito Ecológico de Carajás. O evento foi promovido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que administra as UCs, em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Parauapebas (PA).

A visita foi gratuita e aberta ao público. No total, 62 pessoas se inscreveram, diretamente na sede do ICMBio, para visitar a UC. A servidora pública Kaciane Barbosa ficou sabendo do passeio, fez sua inscrição e ainda levou mais 10 amigos para conhecerem as belezas naturais de Carajás. “Foi tudo maravilhoso. Primeiro por conhecer a floresta, que é tão falada em nossa cidade, porém pouco conhecida de fato pela população, e segundo pela experiência do passeio em si, com tantas aventuras e paisagens únicas”, relatou Kaciane.

“Estou aqui em Parauapebas há dois anos e não sabia da existência dessas belezas naturais da Floresta de Carajás. Existem espécie de animais e flores que são exclusivas daqui, isso é incrível! Passamos por cavernas, cachoeiras, parque ecológico. Vale a pena, desejo de coração que todos tenham a oportunidade de conhecer”, contou o visitante Daniel Lincoln da Silva.

Roteiro do circuito ecológico

A concentração foi logo cedo, em frente à portaria da Floresta Nacional de Carajás, e a turma saiu em dois ônibus. A primeira parada aconteceu no Centro de Visitantes do Parque Zoobotânico, onde foi realizada uma palestra sobre a atuação, os objetivos e desafios do ICMBio e da Floresta de Carajás.

Durante a palestra, os participantes foram orientados sobre a importância de conhecer as riquezas naturais da região para então contribuir para a sua preservação. O objetivo foi também despertar o sentimento de pertencimento em relação à floresta e esclarecer que ela não é de propriedade do setor privado, e sim de toda a comunidade, demonstrando que a região não tem apenas o potencial mineral, mas também uma riqueza natural que pode beneficiar a comunidade de outras formas.

Após a palestra, os visitantes partiram para a Trilha Lagoa da Mata, onde caminharam por um percurso de 1 km, conhecendo diferentes espécies arbóreas e recebendo diversas informações sobre o ecossistema local. O ponto seguinte foi a savana metalófila, um ambiente peculiar da região, onde se encontra uma vegetação ímpar, que cresce em formações rochosas de ferro. Neste local, os participantes tiveram a oportunidade de ver a floração da Ipomea Calvantei, flor endêmica de Carajás, que pode deixar de existir se houver avanço desordenado da mineração.

Algumas cavernas também fizeram parte do passeio, dentre elas a caverna ferrífera Mapinguari, protegida por lei e de grande relevância para o ecossistema. O ponto final do circuito foi a cachoeira de Águas Claras, onde os visitantes experimentaram a maravilhosa sensação de relaxamento que o banho na cachoeira proporciona.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.