Uma parceria inédita entre a Prefeitura de Parauapebas e a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) promete render bons frutos para os trabalhadores do campo e, consequentemente, para a população do município.

Na noite desta segunda-feira, 15, o primeiro passo para isso foi dado com reunião realizada no campus Parauapebas, com a presença do titular da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), técnicos e o corpo docente da Ufra, que trataram sobre o desenvolvimento de projetos agrícolas para a região.

A equipe da Sempror apresentou aos professores da universidade projetos voltados para a produção vegetal e animal que fazem parte do calendário agrícola da secretaria, como projetos do Plano Safra, envolvendo olericultura, fruticultura, apicultura, bovinocultura leiteira e ovino caprinocultura.

Todos são desenvolvidos de forma continuada e em parceria com os produtores locais, que recebem treinamento e apoio para a produção no campo, beneficiando mais de duas mil famílias.

O Plano Safra sistematiza 1,5 mil hectares, que somente com a fruticultura vai beneficiar, neste ano, 100 famílias. Com olericultura, outras 700 famílias serão contempladas.

De acordo com o engenheiro agrônomo Asemar Carlos, um dos responsáveis pelas propostas da Sempror, todos os projetos são desenvolvidos especificamente conforme as condições naturais do município de Parauapebas.

Ainda segundo o engenheiro, o apoio da Ufra dará possibilidade de aperfeiçoar a extensão rural que a Sempror oferece ao homem do campo. “A universidade tem como foco o ensino, a pesquisa e a extensão, então as atividades além do ensino vão contribuir para dar mais qualidade ao trabalho de qualificação que é feito hoje pela Sempror”, sublinhou Asemar Carlos.

Para a vice-diretora do campus em Parauapebas, Ernestina Ribeiro, “a relação deve se estreitar para o ganho tanto do homem do campo quanto da sociedade acadêmica, que tem condição de contribuir com conhecimento para a região”.

Em Parauapebas, a fruticultura e a olericultura são os segmentos de produção que oferecem maior rentabilidade ao produtor em função, principalmente, da topografia do município.