Cooperativas do Sicredi na região Centro Norte registraram 96.275 operações de janeiro a junho para pessoas físicas e jurídicas, aumento de 30% sobre o desempenho de 2016

As sucessivas reduções na taxa de juros, o controle da inflação e a retomada gradativa do emprego no país contribuem para o desenho de um cenário mais favorável ao consumo e à procura por crédito. Prova desta reação do mercado é o desempenho positivo das operações contratadas junto às cooperativas do Sicredi na região Centro Norte. O valor contratado por pessoas físicas e jurídicas cresceu 14,4% e o número de operações saltou 30,7% no 1º semestre deste ano, na comparação com igual período de 2016.

O Sicredi Centro Norte abrange os estados de Mato Grosso, Rondônia, Pará e Acre, e envolve 10 cooperativas, que juntas, somaram a concessão de R$ 1,279 bilhão em créditos de janeiro a junho deste ano, contra R$ 1,188 bilhão no mesmo intervalo do ano passado. De um ano para outro, a quantidade de operações contratadas passou de 73.661 para 96.275. Os créditos liberados aos associados são para as mais diversas finalidades e são contratados por meio de diferentes linhas, entre elas crédito pessoal, rotativos, veículos, imóveis, construção e reforma, consignado em folha, entre outros.

O economista Jonil Vital confirma que os indicadores econômicos mais favoráveis são os principais motivos para o crescimento nas intenções de contratar crédito e no fechamento de novos contratos. Ele diz que a reação do emprego, aliada às taxas de juros e inflação menores são ingredientes perfeitos para motivar as pessoas a buscarem recursos no mercado financeiro.

“O desemprego tirou renda dos trabalhadores, que evitaram a contratação de empréstimos e financiamentos. A inadimplência cresceu, mas nos últimos meses, com uma nova colocação, as pessoas buscaram a regularização de sua situação e voltaram a consumir, a comprar a prazo e a contratar crédito”, comenta. Ele acrescenta que, devido à baixa procura por crédito, as instituições financeiras criaram condições diferenciadas para atrair clientes às novas contratações.

Busca por crédito

Pesquisa divulgada pela Serasa Experian este mês, mostra que a procura por crédito por parte dos consumidores aumentou 11,4% em julho no país, em relação ao mesmo mês de 2016. O Indicador Serasa Experian da demanda do Consumidor por Crédito mostra avanço também no acumulado do ano, com alta de 3,4%. E este crescimento na procura por crédito é comprovado pelo balanço semestral do Sicredi Centro Norte.

Na primeira metade deste ano, as pessoas físicas registraram 36.639 operações de crédito, alta de 15% sobre as 31.851 no mesmo intervalo de 2016. O volume contratado pulou 12,7%, passando de R$ 469,888 milhões para R$ 530,008 milhões. As linhas de crédito mais acessadas pelos associados este ano foram crédito pessoal (R$ 212,342 milhões), rotativos (R$ 150,155 milhões), veículos (R$ 23,014 milhões) e imóveis, construção e reforma (R$ 10,997 milhões).

No caso das pessoas jurídicas foram realizadas 59.636 operações este ano, acréscimo de 42,6% sobre o número do ano passado, quando somou 41.810. Já o montante emprestado totalizou R$ 749,957 milhões, contra R$ 718,682 milhões de 2016. As linhas mais procuradas pelas empresas foram descontos e antecipações (R$ 468,215 milhões), capital de giro (R$ 157,417 milhões) e rotativos (R$ 92,841 milhões).

O presidente da Central Sicredi Centro Norte, João Spenthof, comenta que o Sicredi tem um leque de linhas de crédito disponíveis e que elas foram criadas para oferecer soluções financeiras, de acordo com as necessidades dos associados. Ele acrescenta que a instituição financeira cooperativa orienta, por meio de seus consultores, o consumo consciente do crédito de forma que o orçamento não fique comprometido e que a contratação proporcione a satisfação e o crescimento ao associado. “Orientamos a contratação consciente, de forma planejada, para que os nossos associados realizem seus sonhos, concretizem seus planos. Fazemos isso junto com eles para que o crédito faça a diferença na vida dele, no seu negócio e na comunidade onde está inserido”.

As linhas de crédito disponíveis pelo Sicredi são destinadas a diferentes finalidades, seja o crédito pessoal, imobiliário, construção e reforma, automóveis, educação, equipamentos eletrônicos e de informática, turismo, consignado, microcrédito, entre outros, para pessoa física. Para empresas estão disponíveis desconto e antecipação de recebíveis, capital de giro, comercialização, rotativos, aquisição de máquinas e equipamentos, antecipação de investimentos, e crédito do BNDES. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm limite de crédito pré-aprovado, sujeito à análise da cooperativa.

Quanto custa realizar um sonho?

A compra de um carro, a reforma da casa, fazer um curso em outro estado ou país, uma viagem ou simplesmente comprar um celular novo. Não importa o tamanho do sonho, o que importa é o plano que se faz para concretizá-lo, pois todos eles são possíveis de serem realizados. E foi com muito empenho que o pedreiro Laercio dos Santos Nogueira, 31, da cidade de Comodoro (a 637 km de Cuiabá), conseguiu tirar do papel a tão sonhada ampliação de sua casa. Contratou crédito no valor de R$ 15 mil, para as obras. Foi a primeira vez que fez um empréstimo, cujo dinheiro usou uma parte para quitar a moto e o restante na construção, que deixará o imóvel com o dobro do tamanho. “Minha casa era pequena, com 30 metros quadrados, agora estou construindo mais 30 m2, incluindo cozinha, quarto, área e lavanderia. O quarto vai ser para meu filho pequeno”, diz todo orgulhoso.

Já Eder Krumenauer, de Sinop, tem histórico diferente. Iniciou contratações de crédito como pessoa física e evoluiu para jurídica.  Eder é paranaense, tem 36 anos e há 15 mora em Mato Grosso. Veio para o Centro-Oeste para trabalhar em fazenda, como operador de máquinas agrícolas. Na entressafra ia para a cidade e começou a trabalhar com serviços de segurança eletrônica. Deixou o trabalho na fazenda e se mudou para a cidade, quando contratou o primeiro crédito para a construção de sua casa. Quando quitou o empréstimo, fez um segundo, para aquisição de uma moto e equipamentos para trabalhar por conta própria com instalação de alarmes, câmeras e outros itens de segurança.

Fez a segunda contratação de crédito no Sicredi, com recursos via BNDES, para capital de giro. O negócio prosperou e Eder mantém dois funcionários com carteira assinada. Seus planos não param e ele pretende abrir uma empresa de importação de produtos da China no Pará e construir apartamentos para alugar em Sinop. “Estou me organizando para isso. Temos um bom faturamento na empresa e queremos crescer ainda mais no mundo dos negócios, trabalhando com honestidade e qualidade”.

As experiências de Laercio e Eder são diferentes, mas o sentimento de realização é o mesmo. No caso de Eder tem uma dose a mais de ambição e prova que com planejamento, disciplina e orientação financeira é possível tirar os planos do papel e prosperar.