144 vagas a menos: Câmara Municipal de Parauapebas aprova em primeira discussão projeto que reduz vagas no legislativo

0
317

A partir de 2017, a Câmara Municipal de Parauapebas deverá ter 144 cargos comissionados a menos em seu quadro funcional. É o que prevê o Projeto de Lei nº 043/2016, que vai alterar o plano de cargos, carreiras e de vencimentos dos servidores do legislativo (Lei Municipal nº 4.629/2015). A matéria foi aprovada em primeira votação na sessão desta terça-feira (29).

A proposição determina a redução do número de assessorias de gabinetes, a extinção de alguns cargos de direção e a readequação de outros, que deverão ser assumidos por servidores efetivos da Câmara. A medida resultará em uma economia de R$ 496.177,47 por mês aos cofres do Legislativo.

O projeto é resultado de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre a Câmara e o Ministério Público do Estado do Pará, em outubro deste ano.

O relator da proposição, Euzébio Rodrigues (PT) ressaltou que as mudanças previstas vão reduzir a grande diferença que existe entre o número de servidores efetivos e comissionados, além de adequar os gastos com pessoal ao orçamento previsto.

O presidente da Câmara, Ivanaldo Braz (PSDB), explicou que a redução será realizada com base na verba que a Câmara recebeu este ano. Segundo ele, o orçamento de Parauapebas previsto para 2016 era de R$ 1,045 bilhão, entretanto, até dezembro não chegará a R$ 800 milhões. Para 2017, o orçamento será de R$ 1,05 bilhão, mas, trata-se de uma previsão também, assim sendo, a arrecadação do município e consequentemente o repasse do Legislativo podem ser menores, tendo em vista a constante queda na arrecadação.

“O momento é de diminuir despesas e cortar gastos. Sem essas mudanças, a folha vai ficar inviável, o próximo presidente não vai dar conta de pagar a folha. E é melhor tirarmos agora do que não termos como pagar depois e deixar o trabalhador sem receber. Isso aqui é uma questão de moralizar esta Casa também”, destacou Braz.

Discordâncias

Apesar de ter sido aprovada, não houve consenso entre os vereadores sobre a matéria. Josineto Feitosa (PHS), Eliene Soares (PMDB), Marcelo Parcerinho e Raimundo Nonato, ambos do PSC, votaram contra, por não concordarem com a quantidade de cargos cortados, nem com o prazo de tramitação do projeto.

Raimundo Nonato, recém-empossado como vereador, chegou a apresentar um pedido de vistas ao projeto para poder analisar o conteúdo, mas a solicitação foi reprovada. Parcerinho também defendeu um prazo maior para verificar o que poderia ser mudado no projeto. “Acredito que podemos encontrar um meio termo. Não é demitindo que vamos resolver o problema da crise em nossa cidade”.

Israel Miquinha (PT) votou a favor do projeto, mas enfatizou a importância dos assessores comissionados. “Não concordo que concursados sejam assessores de vereador, pois o assessor trabalha aos sábados, domingos e feriados, não tem hora, pode ser dia, noite ou madrugada. Nada contra concursados, mas nenhum servidor efetivo vai trabalhar final de semana e feriado. Concursado tem que atuar no trabalho interno da casa, atender no horário de expediente”.

Adequações

Para adequar a estrutura organizacional e funcional da Câmara às mudanças previstas no Projeto de Lei nº 043/2016, mais dois projetos foram votados e aprovados em primeira votação.

Trata-se do Projeto de Resolução nº 007/2016, que vai alterar a Resolução nº 017/2015 (dispões sobre a estrutura organizacional do Poder Legislativo Municipal). A referida proposição faz ajustes ao quadro funcional estabelecendo que a chefia dos departamentos de Cerimonial, Recursos Humanos, Licitações e Arquivos serão assumidas exclusivamente por servidores efetivos, remunerados mediante gratificação de função.

E por fim, o Projeto de Resolução nº 008/2016 modificando a Resolução nº 005/2010, que dispõe sobre a criação do Instituto Legislativo Parauapebense (ILP). Diante das mudanças propostas, o projeto determina que as chefias dos departamentos de Rádio e TV e da Biblioteca Legislativa, que integram o ILP, serão também assumidas por servidores efetivos.

Tramitação

Os projetos passarão ainda pela segunda votação, antes de serem sancionados.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui