Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Início Notícias Destaques TRE reprova 56% das contas de campanha no Pará

TRE reprova 56% das contas de campanha no Pará




O deputado federal paraense Wladimir Costa (SD-PA) teve o mandato cassado por unanimidade pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), na sexta-feira, 8. Um dos motivos foi ausência de prestação de contas à Justiça Eleitoral de R$ 410.800, gastos na campanha de 2014 a deputado federal, e poderá ficar inelegível por oito anos, caso perca em recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele não é o único.



No último pleito para escolha de presidente, governador, senador e deputados federal e estadual, 1.043 candidatos estavam obrigados a prestar contas no Estado do Pará, de acordo com informações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pará. Desses, mais da metade (56%), não tiveram suas contas aprovadas, uma vez que 320 (30,7%) foram desaprovadas e 271 (26%) foram julgadas como não prestadas.

Este ano, uma série de novas regras envolvendo prestação de contas terão impacto significativo nas campanhas para a eleição de outubro, para escolha de prefeito e vereador. Entre elas está a proibição de financiamento privado e o estabelecimento de um limite de gastos. No entanto, tais mudanças, apesar de importantes e aguardadas por alguns órgãos de controle ou fiscalização, não devem ser capazes de inibir completamente os atos irregulares cometidos por alguns candidatos durante a campanha.

“Embora existam essas restrições, por outro lado, a gente vê que a consequência para quem tem a conta desaprovada é muito tênue”, diz o procurador regional eleitoral, Bruno Valente. Isso porque o candidato que teve a prestação de contas desaprovada não fica impedido de receber a quitação eleitoral – tal penalidade só é imposta aos que tiveram as contas julgadas como não prestadas. Por isso, ele tem o direito de concorrer em outras eleições. No máximo, esse candidato terá que devolver valores recebidos de fontes vedadas. “Isso não permite um rigor maior para combater a corrupção nas campanhas”.




Outro problema apontado pelo procurador diz respeito à estrutura dos órgãos de controle. “São insuficientes para fazer a análise mais detalhada, porque os prazos são muito curtos e são muitas candidaturas”, ressalta. Mesmo assim, Bruno Valente avalia as recentes mudanças como positivas. “O desafio vai ser a fiscalização disso tudo”. Em geral, ele diz que a maioria dos problemas observados nas prestações de contas envolvem faltas de documentos, uma vez que é necessário declarar todas as receitas e despesas.

Para esse pleito, o período da campanha eleitoral também foi reduzido de 90 para 45 dias, pela reforma eleitoral. O procurador acredita que essa é outra mudança que segue o objetivo de diminuir a influência do poder econômico do candidato. “Em tese, é positiva, desde que venha acompanhada de outros meios de controle”, enfatizou. “Não eleições municipais, a competência é dos juízes eleitorais, enquanto nas eleições gerais se concentra no TRE e na Procuradoria Eleitoral. O número de candidaturas é maior durante as eleições municipais, mas são vários órgãos atuando. Porém, a tendência é de um acirramento maior nos municípios, o que pode trazer mais incidentes”, avalia.

Para orientar candidatos, partidos e profissionais da área, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) elaborou o livro “Contabilidade Eleitoral – Aspectos Contábeis e Jurídicos das Prestações de Contas das Eleições de 2016”, com a explanação prática da Lei 9.504/97 e Lei 13.165/2015 e suas resoluções, para evitar a desaprovação das contas.

“O que nós queremos é qualificar cada vez mais os candidatos e nossos associados, para as mudanças que foram aprovadas”, declarou a contadora Regina Vilanova, membro da Câmara Técnica do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e uma das autoras do livro

O Conselho espera qualificar 300 mil profissionais de contabilidade no País, sendo 10 mil no Pará. Haverá também treinamento presencial aos interessados. “Entendemos que essa é a nossa contribuição para aumentar a transparência durante a eleição”, observou. A cartilha pode ser acessada no site do Conselho Federal de Contabilidade neste endereço




Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Must Read

População de Parauapebas começa a sofrer com o período de queimadas

O tempo seco e quente e ainda a fumaça provocada pelas queimadas têm provocado uma série de transtornos aos moradores de Parauapebas. A população também...

Vale oferta 270 vagas para o Programa de Formação Profissional em Parauapebas

A mineradora Vale abre nesta segunda-feira, 17 até o dia 7 de julho , 270 vagas para o Programa de Formação Profissional em Parauapebas. O...

Recompensa de R$ 5 mil sobre noticias de assassinos de mulher gravida em Canaã dos Carajás

Edna Diniz Torres, 34 anos, morreu à caminho do hospital, onde iria dar a luz, na noite da última sexta-feira (14), em Canaã dos...

63 mil pessoas ainda não foram sacar o PIS/Pasep no Pará

O prazo para os trabalhadores sacarem o abono salarial relativo ao ano-base 2017 termina neste 28 de junho, mas um grupo de mais de...

Com vagas em Parauapebas, Senac abre processo seletivo para 5 municípios paraenses; confira!

Estão abertas as inscrições para os processos seletivos destinados a contratação de empregados para as unidades em Belém, Ananindeua, Castanhal, Marabá e Parauapebas do...

Comentários