Na abertura dos mercados hoje  (25), a Vale vai divulgar seu Resultado Financeiro do 4º Trimestre de 2015 (RF4T15). Essa é a parte principal de suas divulgações, especialmente para banqueiros e investidores, já que não adianta fazer alarde com produção monumental se o lucro despenca ou, pior ainda, vira prejuízo.

A dúvida é: quanto vai ser o rombo da empresa – por conta da queda do preço do minério de ferro, mesmo com recorde de produção física – num horizonte entre 76 milhões e 2 bilhões de dólares? E mais: será realmente que o valor da empresa, se for vendida hoje, vai encolher 11 bilhões de dólares?


Se o prejuízo se consolidar, como preveem analistas de mercado, serão tempos ainda mais sombrios para Parauapebas, notadamente para os 10.600 empregados na indústria extrativa local, que, fatalmente, terão benefícios cortados, salários achatados e serão alvo de demissões programadas a fim de que a empresa possa ajustar as contas. Por tabela, o comércio será prejudicado e os indicadores sociais, que colocam o município como um dos melhores do Pará, ficarão comprometidos.


As conquistas socioeconômicas, à custa de muito suor do trabalhador, vão se perder gradativamente. E todos – inclusive quem não depende diretamente da Vale, mas vive num município em que 85% da economia gira em torno dela – perdem.

Fonte: André Santos