Remo e Paragominas fizeram um jogo aberto em que um lance individual de Eduardo Ramos acabou definindo a vaga na final do segundo turno do Campeonato Paraense 2015. Foi do maestro azulino o único gol da partida na tarde desta terça-feira, dia 21, no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão. Agora o Leão aguarda pelo vencedor do confronto desta quarta entre Paysandu e Parauapebas.

O placar magro, porém, não refletiu na quantidade de oportunidades criadas pelas duas equipes. Em um primeiro tempo quase todo do Remo, o time da capital não conseguiu converter as chances e por pouco não pagou caro. Já nos últimos 45 minutos, foi o Paragominas que esteve superior e quase chegou ao empate nos últimos momentos.

Remo melhor no primeiro tempo; PFC no segundo.   

Mesmo com a ausência de Rony, mas com a volta de Eduardo Ramos, o Remo dominou as ações no começo da partida e chegou com muito perigo ao gol adversário em pelo menos duas oportunidades antes dos dez minutos. Alex Ruan penetrava bem pelo setor esquerdo e Bismark dava velocidade ao ataque tentando fazer a ligação com Rafael Paty.

Ao Paragominas restou segurar a pressão do Leão, que ainda tinha a torcida a seu favor. Apesar do volume de jogo menor, a equipe de Charles Guerreiro buscou o trocar passes e encontrar uma brecha para Bruno Maranhão ou Aleílson chegar ao gol de Fabiano. Outra opção encontrada pelo Jacaré foi com Rogério Rios pela direita, alçando bolas na área para os atacantes.

Na reta final do primeiro tempo prevaleceu a superioridade técnica do Remo.  Eduardo Ramos, o melhor em campo ate àquela altura, voltava a ser o diferencial, com toque refinado e visão de jogo. Foi dele o primeiro gol ao acertar um arremate consciente, da entrada da área, sem dar chances ao goleiro Maycki Douglas.

Na volta do intervalo, a pressão azulina seguia no mesmo ritmo, pela lateral esquerda e pelo meio-campo. Já o técnico Charles Guerreiro tentou deixar o time mais leve e colocou Luquinha no lugar de Bruno Maranhão, um dos artilheiros da equipe. Ele apostou ainda em Beá, na vaga de Cristiano Gaúcho, para dar mais consistência ao ataque.

Sem tanta mobilidade, Ratinho acabou substituído por Felipe Macena. A mudança talvez forçasse o Remo a jogar nos contra-ataques, enquanto o adversário se atirou ao campo azulino partindo para o tudo ou nada. Foi exatamente o que aconteceu. Um Paragominas perigoso na frente e um Remo mais atrás, porém, eficiente quando tinha a bola nos pés. Ficou nisso.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here