Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Início Notícias Queda no preço do minério leva a demissões e afeta cidades de...

Queda no preço do minério leva a demissões e afeta cidades de Minas

De acordo com dados do Ministério do Trabalho, neste ano foram 136 contratados para trabalhar diretamente com extração mineral, ante 450 demissões –número que não leva em conta empresas que trabalham indiretamente no setor, como pequenas empreiteiras.

Os cortes, aliados ao anúncio de que a Vale teve prejuízo de R$ 9,5 bilhões no primeiro trimestre e a boatos de que as minas mais caras da região seriam fechadas, fazem os moradores temer que Itabira vire cidade fantasma.

De maio do ano passado a abril de 2015, o Brasil demitiu quase 10 mil pessoas a mais do que contratou na mineração, o maior número ao menos desde 2004.

O freio nas contratações é puxado pela recessão nacional e pela redução do crescimento chinês, que passou a comprar menos. O minério de ferro, carro-chefe da indústria itabirana, responde por 73% das exportações minerais, segundo o DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral).

“Estamos com um quadro de excesso de oferta de minério. Produzimos mais, mas o preço, que chegou a US$ 110 a tonelada em 2013, deve chegar a US$ 45”, diz o economista Adriano Porto, da UFMG. As demissões, diz, ajustam o mercado à nova realidade.

Em Minas, além de Itabira, cidades como Araxá e Ouro Preto enfrentam consecutivos meses com desemprego maior que admissões no setor, assim como Poços de Caldas, produtora de bauxita, minério do alumínio.




NO PARÁ

Embora tenha um saldo positivo de 4% no crescimento do emprego nos últimos 12 meses, as mineradoras do Pará também demitiram mais do que admitiram desde o início do ano. O Estado é o segundo maior produtor de minérios do Brasil.

Na expectativa da principal cidade mineradora do Estado, Parauapebas, a tendência é que a queda continue.

A prefeitura já fala que espera uma arrecadação 30% menor em 2015. “É culpa da retração no mercado asiático, por causa do preço do minério de ferro. Há uma onda considerável de demissões porque temos que diminuir a promoção”, diz Marcel Nogueira, secretário de Comunicação do município.

Ainda assim, a cidade, localizada no sopé da serra dos Carajás, teve 850 contratados a mais que demitidos –uma variação positiva de quase 9%– desde maio do ano passado. Parauapebas recebe 22% da compensação financeira pela exploração de recursos minerais do país, de acordo com o DNPM.

O minério da cidade é qualificado pela Vale como “o melhor do mundo” e tem processo de beneficiamento mais barato que o mineiro.




Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Must Read

Partage Shopping celebra 8 anos de operação em Parauapebas

O Partage Shopping Parauapebas comemorou, no dia 18 de maio, 8 anos de operação. Neste aniversário, quem ganha o presente é a população de...

Risco de rompimento de barragem causa tensão a moradores

O risco iminente de rompimento da barragem da Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), tem deixado cada vez mais tensos os...

Prefeitura de Parauapebas se manifesta e diz que durante evento ocorreu fiscalização da vigilância Sanitária

A repercussão das notas do sindicato e da organização do evento se manisfestaram sobre a realização do evento, e conforme pedido do Sindicato dos...

Organização do festival de Food Truck emite nota de esclarecimento e diz que possui todas as licenças

Na tarde desta sábado o Sindicato dos Hotéis e Restaurante de Parauapebas emitiram uma nota de repúdio em relação ao festival de food truck...

Sindicato emite nota de repúdio e diz que festival Food Truck não possuem licença para realização

Após a anunciação de um festival de comidas vendidos por caminhões de alimentos que acontecerá em Parauapebas, o Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes...

Comentários