Professores ignoram ordem da Justiça e mantêm greve no Pará

0
330

Ação determinou que os professores retornassem ao trabalho em 24 horas. Sintepp informou que ainda não foi notificado.

Os professores da rede estadual de ensino não retornaram às salas de aula na manhã desta quarta-feira (15), em Belém. A categoria reivindica o pagamento do piso salarial nacional, reforma das escolas e reajuste no valor do vale alimentação. Uma decisão judicial, dada pelo Tribunal de Justiça do Pará  à pedido da Procuradoria do Estado, deferiu a ação pois considerou a greve abusiva.

A ação determinou que todos os professores retornassem ao trabalho em um prazo de 24 horas e proibiu os professores de fecharem vias e órgãos públicos , como aconteceu na manifestação em frente a Secretaria de Educação do Estado, na última quarta-feira (8). Em caso de descumprimento da determinação judicial o Sintepp terá que pagar R$ 20 mil de multa, além de um valor de cinco mil reais por dia sem aula .

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Pará(Sintepp) informou que ainda não foi notificado sobre a determinação, mas considera a liminar da justiça precipitada .

“Vamos recorrer pois achamos que a juíza se equivocou ao expedir a liminar, até porque ela não ouviu todas as partes envolvidas. Judicializar um conflito trabalhista não é a melhor forma de resolver o problema, devemos resolver com diálogo”, disse o Secretário de Comunicação do Sintepp, Eloi Borges. Ainda segundo o Sindicato, a paralisação deverá continuar até a próxima quinta feira (16), quando será realizada uma assembléia geral da categoria. Enquanto isso, muitas escolas continuam sem aula.

A greve dos professores já dura 21 dias e 80% dos municípios paraenses aderiram à greve , com 26 mil servidores grevistas. A Seduc informou que a adesão é menor que isso, mas não informou o número exato de docentes.

A paralisação atingiu 700 mil alunos matriculados na Rede Estadual de Ensino.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.