Parauapebas: Índices de Criminalidade caíram em 2015

463

O delegado Thiago Carneiro diz que há motivos para comemorar e cita que o número de homicídios em Parauapebas era de pelo menos 49 por semestre, porém no último semestre de 2015 foram apenas 40, dando apenas uma média de 7 por mês. Se comparado há anos anteriores quando aconteciam pelo menos 20 por mês, pode se considerar, na opinião do delegado, um número tolerável. E todo o ano de 2015 houveram 141 tentativas de homicídios, com um número de menos da metade consumadas.

Em 2015, ocorreram 47 acidentes de trânsito com vítimas fatais, sendo que em alguns deles houve mais de uma vítima. Ocorrências de roubos chegaram 1.649, sendo que várias delas podem ter sido furtos; já de furtos o número de ocorrência foi de 1.492, sendo que várias delas podem ter sido roubos.

17 prisões por estupro foram realizadas, sendo que em algumas delas o mesmo acusado havia cometido o crime contra várias vítimas. Exemplo do preso Venilson que estuprou mais de 20 mulheres, tendo como área de atuação o bairro Cidade Jardim.

O tráfico sofreu prejuízos em Parauapebas em 2015, quando foram feitos 115 procedimentos contra traficantes. Destaque para o ocorrido em outubro quando foram apreendidos 170 quilos de maconha que por sua pureza de qualidade foi avaliada em cerca de R$ 1 milhão. Houve ainda o arranque de uma lavoura da droga na zona rural de Parauapebas além da apreensão de seis quilos de maconha no local, além de pequenas apreensões. “O roubo de celular é grande devido a facilidade que os praticantes desta modalidade encontram de ação tanto para conseguir quanto de vender o objeto. Outra prática também que ocorre neste Município é o uso de motocicletas roubadas e neste ano de 2016 combateremos com mais afinco tudo isso”, planeja Thiago.

Atuação – O jovem delegado, Thiago Carneiro, assumiu a coordenação da Polícia Civil em Parauapebas ainda no primeiro semestre de 2015, ano que ele avalia como positivo para a segurança no município. “Foi um ano com vários acontecimentos na estrutura da polícia”, lembra o delegado enumerando sua efetivação na coordenação da ainda Superintendência Regional de Polícia, cancelada em agosto e a saída do prédio da DEPOL para que este fosse reformado.

Thiago diz que não desistiu do projeto de retomar da implantação da RISP (Região Integrada de Segurança Pública), desvinculando da Superintendência de Polícia de Marabá e ficando ligado diretamente a Belém. Fato que ele diz dar mais independência e agilidade nos trabalhos da polícia no Município. “Trata-se de uma regional que agregará os comandos das Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiro Militar e DETRAN. Com isso os municípios de Parauapebas, Curionópolis, Canaã dos Carajás e Eldorado do Carajás”, explica Thiago, detalhando que com isso receberíamos mais efetivo além de equipamentos específicos e necessários como, por exemplo, um helicóptero.

Ele cita que em extensão territorial seria uma regional pequena, mas uma das maiores em população e problemas levando em conta que Eldorado do Carajás tem uma zona rural complexa com muitos conflitos agrários; Curionópolis com conflitos de mineradores; Canaã dos Carajás com grandes projetos minerais sendo implantados e Parauapebas com um número populacional flutuante.

O delegado diz que seu primeiro ano de experiência foi um aprendizado que pretende continuar em 2016. Um dos obstáculos que ele aponta é a deficiência na internet que dificulta o registro de ocorrências online como, por exemplo, perda de documentos. “Fora esses fatores foi um ano bem positivo, propiciando a polícia civil ser atuante como nunca havia sido, saindo às ruas e fazendo prisões, representando com medidas cautelares o que contribuiu para os índices da criminalidade principalmente os mais graves”, comemora o delegado, citando que o reflexo disso a população sente nas ruas.

Além da força e estratégia da polícia, Thiago Carneiro enaltece a parceria com a polícia militar, além da contribuição da população através do Disk Denúncia que informa em tempo real a prática de crimes. “Acreditamos que após o concurso público e de acordo com a promessa da cúpula da polícia civil em Belém receberemos maior efetivo e então este ano mostraremos muito mais serviço para a população”, anseia o delegado, contado de seu plano que é a criação de outra DEPOL devendo ser no bairro Cidade Jardim.

A Polícia Civil é composta por 23 policiais em Parauapebas, sendo cinco escrivães, seis delegados e 11 investigadores. Número que ele diz ser suficiente, mas almeja que seja aumentado para que possam prestar ainda um melhor serviço à população. A solução ele vê no concurso que ocorrerá ainda este ano com Edital sendo publicado no próximo mês, fevereiro, com 150 vagas para delegados de polícia, 300 para investigadores e escrivães.

Francesco Costa – Da redação

Comentários