Parauapebas e Marabá discutem parceria para melhorias nos dois municípios

0
381

A implantação de um sistema de telefonia rural nos municípios de Parauapebas e Marabá foi tema de uma reunião que ocorreu na última semana, em Marabá. Participaram do encontro o secretário municipal de Mineração, Energia, Ciência e Tecnologia de Parauapebas (Semmect), Flávio Veras, o adjunto Wedson Azevedo e o vice-prefeito de Marabá, Toni Cunha.

De acordo com Flávio Veras, as comunidades rurais estão desassistidas e isoladas nos dois municípios já que não há qualquer sinal de telefonia móvel, tão pouco fixa nas localidades. Por entenderem que a necessidade é a mesma para Parauapebas e Marabá as duas gestões devem unir esforços para implantação do sistema de comunicação.

Flávio Veras aproveitou a ocasião para discutir a criação da Associação dos Municípios Mineradores da Região do Carajás, entidade que deve fortalecer o debate de políticas nacionais, como a Taxa Estadual Recursos Minerais (TFRM), a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) e a Lei Kandir, que regulamenta a aplicação do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

Toni Cunha assegurou que Marabá se engajará no projeto de telefonia rural na região. Em conversa prévia com Flávio Veras, representantes das cidades de Canaã dos Carajás e Curionópolis se manifestaram favoráveis à criação da associação. Como convidado do grupo, o município de Paragominas, potência extrativista de bauxita, também deverá ser um dos associados.

Flávio Veras enfatizou que o assunto é de extrema importância para a atual gestão. “Essa é uma das bandeiras do Governo Darci. Ele acredita que o projeto não deve ser realizado de forma excludente, mas sim, integrando o sudeste do Estado. Dessa forma, iremos fortalecer não só Parauapebas como toda a região de Carajás”, explicou.

Novas reuniões entre a Semmect e outros municípios devem ser realizadas nas próximas semanas.

Texto: Anderson George

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.