A Defesa Civil do Estado foi acionada para atuar de modo emergencial em quatro municípios afetados pelas fortes chuvas dos últimos dias. Cachoeira do Arari, Paragominas, Parauapebas e São Geraldo do Araguaia declararam oficialmente situação de emergência. De acordo com o órgão, vinculado ao Corpo de Bombeiros do Pará, já está sendo feito o levantamento do número de famílias desabrigadas.

“Até agora, o levantamento preliminar aponta que, em Parauapebas há duas famílias desabrigadas e 40 famílias desalojadas; em Paragominas são duas famílias desabrigadas e 13 desalojadas; em Cachoeira do Arari  foram registradas 9 famílias desabrigadas e 1 desalojada. Já no caso de São Geraldo do Araguaia são 3,2 mil pessoas desalojadas”, informou o assessor da defesa civil, Major Bruno Freitas.

Os desabrigados estão sendo levados para abrigos e escolas municipais e as pessoas desalojadas foram para casas de parentes ou vizinhos. O acolhimento é realizado pelas prefeituras e todo o apoio operacional e de levantamento de dados é feito com ajuda da Defesa Civil do Corpo de Bombeiros Militar.

As fortes chuvas iniciaram na terça feira (03). Após saber dos casos, nesta quarta-feira (04), o Governador Helder Barbalho se pronunciou nas redes sociais.

“Nós estamos atentos a estas questões e já recomendei que o Coronel Hayman (comandante do CBMPA), junto com a equipe da Defesa Civil, possa ir, ainda hoje em Paragominas para olhar a realidade, prestar toda a solidariedade. Amanhã, ele estará em Parauapebas. Vamos disponibilizar cestas de alimentos para as famílias atingidas, apoio para as prefeituras na reconstrução das áreas atingidas, todo o apoio do governo para melhorias e reconstrução de eventuais unidades habitacionais que tenham sido destruídas por conta das fortes chuvas ocorridas”. Helder Barbalho.

Em Paragominas, 11 bairros que sofrem influência do rio Uraim, foram afetados. A Defesa Civil do Estado afirma que, até agora, não houve mortes relacionadas às fortes chuvas em nenhum dos municípios em situação de emergência. Também foi descartada a hipótese de que a inundação em Paragominas tenha sido por conta de rompimento de barragens clandestinas como o ocorrido em 2018. “Todas têm a ver com o transbordamento dos rios provocados pelas fortes chuvas”, disse o Major Bruno.

No caso de Parauapebas, o relevo acidentado da cidade foi determinante para a formação de enxurradas. Nestes dois municípios, cerca de 100 bombeiros atuam exclusivamente para atender as áreas atingidas.

Foto: Jader Paes / Ag. ParáA Defesa Civil do Estado avisa que qualquer informação, dúvida ou pedido de ajuda, pode ligar para o telefone de plantão, que funciona 24 h. O número é (91) 9 8899-6323.

“É importante orientar as pessoas que convivem nas áreas de risco a não entrar em contato com a água. Por conta do risco de ter um fio solto da rede de energia as pessoas correm o risco de sofrer um choque elétrico ou, até mesmo, doenças como a leptospirose. No caso de notar que vai chover e perceber que a casa possa ser invadida pela água, o morador precisa sair imediatamente, ligar para o Corpo de Bombeiros e procurar um abrigo seguro”, orientou o bombeiro. (Texo: Agência Pará/ Foto: Ascom:PMP)