Pará: Indústria cresce 6,8% nos 7 primeiros meses deste ano

0
347

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (10) pesquisa que mostra o crescimento da indústria paraense. Enquanto na maioria dos Estados brasileiros houve recuo, o Pará está entre as unidades federativas que apresentam números positivos, com crescimento de 0,4% de junho a julho de 2015. Na contramão, Estados como Paraná e Ceará tiveram recuo de -6,3% e -5,2%, respectivamente.

Em relação a julho de 2014, o setor industrial do país mostrou redução de 8,9%, com onze dos 15 locais pesquisados pelo IBGE com saldos negativos. Enquanto isso, o Espírito Santo cresceu 3,4% e o Pará, 6,8%, os maiores avanços do país. A pesquisa ainda aponta que o aumento se deve, principalmente pelo comportamento positivo das indústrias extrativas, no Pará de minérios de ferro em bruto ou beneficiado; e no Espírito Santo, de óleos brutos de petróleo e da metalurgia.

No acumulado de janeiro a julho de 2015, em comparação ao mesmo período do ano anterior, a redução na indústria alcançou doze dos 15 locais pesquisados pelo IBGE, com oito recuando em intensidade superior à média nacional. Por outro lado, novamente o Espírito Santo (14,9%) e o Pará (6,8%) obtiveram avanços significativos.

Na última semana, a Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará (Fapespa) e a Federação das Indústrias do Pará (Fiepa) lançaram o Boletim da Indústria Paraense com a análise do primeiro semestre do ano. No estudo, o Estado obteve 6,8% de crescimento, enquanto o país recuou 6,3%, nos seis primeiros meses do ano.

Neste período, o Pará foi o segundo melhor entre os 14 Estados analisados, e deles onze tiveram recuo na indústria, segundo o boletim. O resultado está relacionado ao recebimento de impostos pelo Estado, que teve aumento na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), variação de 20,02% no acumulado do ano.

(Fonte: Agência Pará)

 

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.