Movimento LGBT reivindica políticas públicas em Parauapebas

0
552

Criação de políticas públicas em Parauapebas para a promoção, defesa, garantias de direitos humanos e de cidadania da população LGBT. A reivindicação foi apresentada hoje, 11, ao prefeito Darci Lermen, em reunião na prefeitura, por um grupo de ativistas liderados pelo Instituto Abraço à Diversidade (IAD), coordenado por Ana Cristina Carmona Leitão.

                Participaram da reunião o secretário municipal de Planejamento, João Corrêa, o deputado estadual Dirceu Ten Caten (PT), a presidente da Associação dos Moradores Nascidos em Parauapebas (Amonpa), Aglaudene Tomé. E ainda os integrantes do IAD de Parauapebas Luanna Maria Rodrigues Carmona, Shaiera Oliveira e Elton Reis.

Ao prefeito, eles entregaram um programa intitulado “Parauapebas pela Cidadania LGBT”, com propostas de ações de enfrentamento ao preconceito e à discriminação em relação à orientação sexual e identidade de gênero bem como em defesa da cidadania LGBT em Parauapebas.

Cristina Carmona explicou que o programa é similar ao implantado em Belém, onde foi criado o Conselho de Diversidade do Pará. Dirceu Ten Caten ofereceu a assessoria jurídica do gabinete dele, para estudar juntamente com a prefeitura um projeto que contemple o movimento.

A ideia é criar uma coordenadoria ou secretaria que abarque não apenas os direitos da comunidade LGBT, mas que também defenda a igualdade racial, os direitos dos povos indígenas e as pessoas com deficiência. “Pode ser criada uma secretaria ‘guarda-chuva’, para trabalhar com vários eixos sociais”, sugeriu Dirceu Ten Caten.

A justificativa para a reivindicação do IAD é uma velha conhecida: a discriminação, o preconceito, que originaram a chamada LGBTfobia, o que resulta em violência física, psicológica e simbólica contra quem não é heterossexual. O Brasil continua como campeão mundial de crimes contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais: 40% dos assassinatos de transexuais e travestis foram cometidos no Brasil, em 2016, segundo agências internacionais.

Pesquisa do Grupo Gay da Bahia (GGB) indica que a cada 23 horas um LGBT é assassinado no País. Em 2013, foram 198 assassinatos, dos quais 15 no Pará, sendo cinco na região do Carajás. O movimento LGBT acredita que esse número pode ser superior porque registros oficiais esconderiam a orientação sexual e identidade de gênero de vítimas do preconceito e do ódio.

Os ativistas observam que em Parauapebas ainda não existe serviço público específico voltado para a população LGBT. “Assim, não conseguimos ao longo dos anos construir um banco de dados com informações consistentes, o que vem dificultando a formulação de respostas resolutivas à questão da violência LGBTfóbica”, diz a justificativa do programa entregue ao governo.

PARADA GAY

A IAD pediu apoio da prefeitura, para realização da 11ª Parada Gay de Parauapebas, que será realizada no final de agosto. No ano passado, a festa reuniu quase 20 mil pessoas no município. Foi conversado na reunião sobre a importância do evento para o empoderamento da população LGBT.

 

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.