Jornalista de Parauapebas é convidada a participar de encontro da Pastoral em Curitiba

706
A Missão da Pastoral da Criança é promover o desenvolvimento das crianças desde o ventre materno até os 6 anos em todo o Brasil. Na Diocese de Marabá a Pastoral da Criança está presente há 25 anos, atuando com os líderes voluntários que assumem a tarefa de orientar e acompanhar as famílias .
A sede localizada em Curitiba, conta com um lindo espaço idealizado pela Dra. Zilda Arns chamado Museu da Vida, onde apresenta exposições mostrando a realidade das crianças. A exposição dos “Primeiros 1000 dias de vida”, é um novo espaço interativo do Museu, que traz a importância dos cuidados com a saúde antes e após o nascimento.
A Pastoral da Criança Nacional, estará realizando nos dias 15 e 16 de agosto, em Curitiba um encontro para Jornalistas Católicos, sobre os primeiros 1000 Dias, no Museu da Vida. O evento tem por objetivo capacitar o comunicador que atua diretamente com bispos e com a Pastoral da Criança em suas Dioceses.
A jovem jornalista Jussara Alves, que também trabalha e faz parte da Pascom em Parauapebas foi convidada à participar do encontro e assim repassar a formação para os membros da igreja.
De acordo com Wanessa Dias, Coord. da Pastoral da Criança na Diocese é muito importante a presença de um comunicador na capacitação. “O Nacional informou que precisaria de um comunicador da diocese neste evento para contribuir e sempre manter esse contato com a mídia e a Pastoral da Criança. A Pastoral da Diocese de Marabá é modelo em todo Estado do Pará, com isso teremos grandes avanços dentro da Pastoral e suprir nossas metas”, disse Wanessa, acrescentando que nos dias atuais um dos grandes desafios são os voluntariados.
Vale ressaltar que a capacitação será repassada em toda a Diocese de Marabá, através da jovem comunicadora. No próximo dia 18, a formação será repassada em Parauapebas, às 8h no Centro Pastoral da Paróquia Cristo Rei, a formação será a nível de cidade. É importante a participação de todas lideranças e membros das comunidades de Parauapebas.

Comentários