Cosa Nostra apresenta linha de produção derivado do búfalo em Parauapebas

0
1112

De consumidor para produtor com metas de crescimentos a curto prazo. Assim é a Queijaria COSA NOSTRA que, em franco crescimento, convidou a imprensa para mostrar suas instalações. E assim na manhã desta quinta-feira, 5, profissionais da imprensa local visitaram a empresa onde tudo acontece.

Da criação de animais, inseminação, parição, tratamento, ordenha e beneficiamento do leite. Tudo feito ali mesmo, com produtos certificados com o SIM – Selo de Inspeção Municipal, apto a ir para a mesa dos consumidores com total segurança.

Além de toda qualidade e nutrição o negócio traz impactos positivos na economia local, com geração do emprego e renda. “Atendemos supermercados, panificadoras e academias de ginástica, pois descobriram que o queijo feito com leite de búfala é fintes. Assim, muitos tem trocado o queijo do leite de vacas comuns pelo nosso”, explica Pedro Oliveira, administrador da queijaria, detalhando que o empreendimento é desenvolvido em apenas 7.3 hectares, o correspondente a 7.300 metros quadrados, onde é possível produzir de 150 a 300 litros de leite por dia, tudo transformado ali mesmo em queijos mozzarela, coalho, minas frescal comum e minas frescal temperado.

Mas o desejo do patrão, segundo afirmou Pedro Oliveira, é expandir o negócio, devendo, para isto, buscar a certificação de qualidade do Estado e assim comercializar maior quantidade do produto. “Até chegarmos a ter o reconhecimento nacional”, almeja Pedro, contando já ter projeto para expansão da área de irrigação e da infraestrutura da queijaria para aumentar a produção de leite e consequentemente de queijo.

Se depender de apoio, tudo dará certo, pois o empreendimento conta com importantes parceiros: SEBRAE, SENAR, SIPRODUZ, SEMPROR e UFRA, são apenas alguns deles. “A UFRA é uma parceira nossa antiga já tendo desenvolvido aqui vários TCC’s – Trabalhos de Conclusão de Cursos, e atualmente está desenvolvendo dois projetos respectivos, um de mestrado e outro de doutorado sobre análise do leite de búfala. No ano passado foi desenvolvido pela universidade um projeto de suplementação das búfulas em lactação com caroços de açaí e dendê”, conta Pedro Oliveira.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.