Trending News

Blog

Contrabando de cigarros deve movimentar R$ 116 milhões no Pará
Notícias

Contrabando de cigarros deve movimentar R$ 116 milhões no Pará

O contrabando continua respondendo pela maior parte dos cigarros consumidos no Para: 41% de todos os cigarros que circulam no Estado são contrabandeados do Paraguai, segundo estimativas da indústria.

O prejuízo para o Governo deve ser de R$ 133 milhões em impostos em 2019, que poderiam ser revertido em benefícios para a população, por exemplo, para a construção de aproximadamente 1360 casas populares ou 230 unidades básicas de saúde. Por outro lado, o crime organizado — que comanda o contrabando — deve movimentar cerca de R$ 116 milhões apenas neste ano. Entre os municípios mais afetados pelo contrabando de cigarros estão: Altamira, Óbidos, Uruarã, Medicilândia, Senador José Porfírio, por exemplo.
O preço baixo do produto ilegal é o principal atrativo para que os consumidores migrem do mercado legal para o ilegal. Na região Norte, uma pesquisa do Ibope indica que a média dos ilegais custa R$ 3,51, enquanto o preço mínimo estabelecido pelo governo para o cigarro legal no Brasil é de R$ 5,00.

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), Edson Vismona, “é fundamental reduzir a principal vantagem dos contrabandistas nessa guerra contra o mercado ilegal: a diferença de preços entre os cigarros legais e os contrabandeados do do Paraguai, que não pagam impostos, não se submetem aos controles da Anvisa e financiam o crime organizado”. Ainda de acordo com Vismona, o atual sistema tributário penaliza principalmente os consumidores das classes C, D e E, pois o imposto que incide sobre os produtos mais caros é exatamente o mesmo dos produtos populares.
Apesar do mercado ilegal ter subido mais de 10 pontos percentuais nos últimos cinco anos, a boa notícia é que as apreensões aumentaram no Estado. Segundo dados da Receita Federal, o volume total de apreensões todas as categorias no primeiro semestre de 2019 com o mesmo período do ano passado o crescimento é de mais de 5000%.

O contrabando no Brasil

Uma pesquisa do Ibope apontou crescimento no mercado ilegal de cigarros pelo sexto ano consecutivo: 57% de todos os cigarros consumidos no país em 2019 foram ilegais, sendo que 49% foram contrabandeados (principalmente do Paraguai) e 8% foram produzidos por fabricantes nacionais cujos produtos chegam ao consumidor por menos de R$ 5,00 — preço mínimo definido por Lei. Com isso, 63,4 bilhões de cigarros ilegais inundaram as cidades brasileiras. O número deste ano representa um crescimento de 3 pontos percentuais em relação à pesquisa de 2018. Com isso, a arrecadação de impostos do setor deve ser inferior à sonegação causada pela ilegalidade: R$ 11,8 bilhões contra R$ 12,2 bilhões. Esse valor, se revertido em benefícios para a população, poderia ser usado para a construção de 5,9 mil Unidades de Pronto Atendimento, 21 mil Unidades Básicas de Saúde ou 8,6 mil creches.

Related posts

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com