COMBUSTÍVEIS: Mineradoras sentem baque e prefeituras podem perder milhões em royalties

0
912

A Associação Paraense de Engenheiros de Minas (Assopem) fez um levantamento neste domingo (27) sobre a situação do abastecimento em projetos de mineração do estado em decorrência da greve nacional dos caminhoneiros, que afetou a distribuição de combustíveis e outros produtos e serviços pelo país. De acordo com o “Anuário Mineral do Pará 2017”, assinado pelo então Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), que se tornou Agência Nacional de Mineração (ANM), o estado possui atualmente 146 minas, e já tem delas suspendendo operações.

Segundo o presidente da Assopem, Artur Alves, os projetos de mineração são o motor propulsor da economia paraense porque, este ano, de janeiro a abril, movimentaram 89% das exportações estaduais, conforme dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Das dez principais commodities da cesta de exportações do Pará, sete são bens minerais.

Vale lembrar que, juntas, todas mineradoras em atuação no Pará produzem R$ 85 milhões de recursos minerais por dia. Essa é a média deste ano, entre janeiro e maio, conforme a ANM. A paralisação de um dia em todas as mineradoras causaria aos governos, principalmente às prefeituras, um rombo de R$ 2,42 milhões em royalties de mineração nas contas públicas. O Governo do Estado do Pará perderia, ainda, R$ 1,4 milhão por dia em Taxa de Fiscalização de Recursos Minerários (TFRM).

Entre as prefeituras, as que eventualmente sentiram mais são as de Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá, líderes no recebimento de royalties de mineração, especialmente pelas operações da mineradora multinacional Vale em seus municípios. (Assopem)

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui