Com o tema “Identificou. Tratou. Curou!”, a campanha do Janeiro Roxo – Combate e Prevenção da Hanseníase, em Parauapebas, segue com programações voltadas à comunidade. Nesta terça-feira (21), na Unidade Básica de Saúde (UBS) Minérios, ocorrerá a abertura oficial da campanha com palestras e serviços sobre a doença, das 13 às 17 horas.  

A campanha do Janeiro Roxo iniciou com capacitações para profissionais da saúde, no dia 03 de janeiro. Na terça-feira (21), além dos serviços para a comunidade, será realizada uma capacitação voltada às equipes de saúde com o tema “Diagnóstico precoce da Hanseníase na Atenção Básica”.

As principais ações e serviços disponibilizados para a comunidade ao longo da campanha serão: visita domiciliar para exame de contatos; busca ativa de faltosos em consultas e exame de contatos; palestras sobre Hanseníase – na sala de espera das UBSs; exame corporal; exame dermatoneurológico.

A Prefeitura Municipal de Parauapebas através da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) já realiza um trabalho permanente de prevenção da doença e tratamento aos pacientes contagiados, mas, em alusão ao Janeiro Roxo, que aborda mais intensamente a Hanseníase, o Departamento de Vigilância em Saúde (Visa) planejou ações para potencializar o trabalho já realizado.

Os objetivos da campanha são: alertar e sensibilizar a população sobre os sinais e sintomas da Hanseníase e incentivar a procura pelos serviços de saúde; mobilizar os profissionais de saúde quanto à busca ativa de casos novos para diagnóstico precoce e prevenção de incapacidades; divulgar a oferta de tratamento completo no SUS; promover atividades de educação e comunicação em saúde, voltadas ao enfrentamento do estigma e da discriminação.

“A campanha ocorrerá em todo o mês de janeiro. Serão realizadas atividades educativas (palestras e roda de conversa) para comunidade e uma programação para os profissionais de saúde com treinamento e capacitações para os médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, agentes comunitários de saúde e demais profissionais que atuam nas UBSs, policlínica, CAPS e HGP; inclusive para os profissionais que atuam na zona rural”, detalhou a coordenadora do programa municipal de Hanseníase, Lívia Cristina Torres, acrescentando que todas as UBS’s do município contam com profissionais aptos na realização do diagnóstico inicial e, nos casos necessários, há encaminhamento para atendimento com especialistas.

Dados da Hanseníase no município

Em Parauapebas, até o mês de outubro de 2019 foram diagnosticados 109 casos novos, o que revela uma tendência de elevação no número de pessoas com a doença para o período avaliado.

A incidência média da Hanseníase em Parauapebas é de 54,26 casos para cada 100 mil habitantes. Os pacientes fazem o tratamento da doença na rede municipal de saúde com profissionais capacitados e as medicações estão disponíveis em todas as UBSs.

Texto: Nívia Lima/Karine Gomes