Trending News

Blog

Seca de represa deixa 20 mil pessoas sem água em Parauapebas
Destaques

Seca de represa deixa 20 mil pessoas sem água em Parauapebas 

Cerca de 20 mil pessoas que vivem em Parauapebas, estão sofrendo com a falta de água. Eles vivem em uma área da cidade que depende exclusivamente da água que vem de uma represa, mas o reservatório está quase seco. A companhia que faz o serviço de fornecimento de água para a comunidade diz que o problema do esvaziamento da represa está atrelado à construção de uma estrada de ferro próxima ao reservatório.

De acordo com Wanterlor Bandeira, gestor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas, a represa foi construída em 2010 e começou a secar no início de 2016, coincidentemente com o início da detonação de rochas para a construção do túnel da ferrovia.

“Coincidentemente, após o início das detonações secaram-se os poços artesianos e a represa também secou, nunca tinha secado. Então, após a construção do túnel e as detonações que tiveram no local houve um impacto direto na comunidade pela falta de água” afirmou Bandeira.

Ainda não existe um laudo que comprove que a construção da ferrovia secou a represa. A mineradora Vale é a responsável pela obra. E ainda de acordo com a Prefeitura de Parauapebas, a empresa diz que as detonações não causaram o problema.

“Nós buscamos diversas vezes, mas ela se nega a crer que seja a ação dela que causou esses impactos”, alegou Wanterlor Bandeira.

Segundo o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas, é prevista que até a semana que vem a água que começou a ser armazenada na nova represa comece a chegar na estação de tratamento de água, que fica cerca de dois quilômetros deste ponto. De lá será distribuída para a comunidade, principalmente através de caminhões pipa.

Em nota, a Prefeitura de Parauapebas, a construção do novo reservatório não seria a saída para solucionar o problema. O município informou que estuda um projeto para captar água do rio Parauapebas que abastece a região atingida, mas não tem previsão para quando esse projeto vai ser iniciado.

A empresa Vale informou em nota que o ramal ferroviário do projeto S11D está legalmente licenciado e com licença de operação concedido pelo Ibama. E disse que a obra obedeceu a todos os requisitos legais e normas, passando por vistorias e inspeções do órgão ambiental, onde foi constatado o cumprimento dessas ações e medidas de controle ambiental. A Vale informou ainda que não há nenhuma relação da obra do ramal com a eventual falta de água para os moradores de Parauapebas.

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com